Ganhar Dinheiro com Investimentos

Investir no Tesouro Direto é 100% seguro?

A curiosidade por investimentos é muito importante para fazer com que você melhore a rentabilidade e a segurança das suas aplicações.

Em primeiro lugar vale lembrar que não existe investimento 100% seguro. Se você pensar em um imóvel, por exemplo - que tem a aparência de ser muito seguro do ponto de quem pretende guardar o dinheiro - ele pode sofrer um incêndio, uma colisão de um veículo, ou, ainda, pode ter a sua estrutura condenada ou desabar como resultado de um tremor de terra.

Embora seja possível contratar um seguro para se proteger dessas situações, não há garantia de que a seguradora pague integralmente o que combinou com você. Em suma, sempre há um risco, mas o que interessa é conhecê-lo e avaliá-lo.

Tesouro DiretoO que devemos ter em mente com relação aos investimentos é que existem opções mais ou menos seguras, mas nenhuma é absolutamente infalível. Nenhuma vai garantir 100%, ou seja, 0% de perda.

Dito isso, o Tesouro Direto está entre as aplicações financeiras que são mais seguras. Podemos dizer, por exemplo, que o Tesouro Direto é mais seguro do que a poupança, que fica depositada em um banco particular, .

Por outro lado, você tem que escolher o título certo para o seu objetivo.

Afirmo isso em decorrência dos diferentes tipos de risco que encontramos no nosso caminho. Agora, como você está iniciando seus investimentos no mercado de títulos públicos, vou esquecer as outras modalidades de risco e limitar nosso papo ao risco de crédito.

Esse risco mede a capacidade da outra parte (o Tesouro Nacional, no caso do Tesouro Direto) cumprir o que foi contratado, ou seja, pagar a remuneração que foi prometida.

Como o risco de o governo não honrar os seus pagamentos é bem menor do que o de uma instituição financeira privada, como um banco, pode-se dizer que o risco do Tesouro é bem menor do que o da maioria das aplicações oferecidas no mercado hoje.

Ainda que a situação econômica do país hoje esteja delicada, com todos os problemas das contas públicas, os títulos públicos vendidos pelo Tesouro Direto representam menos de 1% da dívida total do governo, considerando a dívida com credores internos e externos.

Para reduzir os outros riscos (lembre-se de que não há risco zero), como o risco de oscilação de preços (risco de mercado), minha sugestão é que você opte, para começar, pelo título Tesouro Selic, título que paga a variação da taxa Selic.

Ele é a porta de entrada para a aplicação em títulos públicos por meio do Tesouro Direto. Sua remuneração será superior à da poupança e com um risco muito baixo.

Diferentemente dos outros títulos públicos, o Tesouro Selic não sofre grandes oscilações se for vendido antes do prazo porque ele sempre paga a variação da taxa Selic, isto é, ele sempre está pagando juros em linha com o que o mercado está oferecendo. Já outros títulos podem gerar prejuízos e também ganhos dependendo do momento, caso sejam vendidos antes do prazo.

Em todos os casos, se o título for carregado até o vencimento, no entanto, ele paga ao investidor exatamente o que foi prometido no momento em que o investimento foi iniciado, sem riscos de prejuízos.

Fonte: Exame - http://goo.gl/2mt161

O Mercado Financeiro e os Fundos para Investimentos

“A taxa de juros que temos no mercado é muito elevada e é um excelente negócio para o investidor individual. Com essa taxa, o investidor tem uma ótima oportunidade de conseguir bons rendimentos no médio prazo, mesmo sem riscos”, afirma Márcio Cardoso, sócio-diretor da Easynvest.

A taxa básica de juros é usada como referência para os investimentos de renda fixa, portanto, quando a taxa sobe ou se mantém em patamares elevados - como é o caso agora, que a Selic está nos 14,25% ao ano - a régua também sobe para os rendimentos de diversas aplicações de renda fixa.

Tesouro DiretoOs investimentos de renda fixa são aqueles que já têm sua forma de remuneração definida no momento da aplicação. Diferentemente dos investimentos de renda variável, como as ações, o investidor consegue prever de que forma seu dinheiro será remunerado.

Por essa razão é possível dizer que quem tem recursos disponíveis para investir hoje pode surfar em um mar perfeito em termos de risco e retorno, já que os juros estão altos e isso beneficia as aplicações de renda fixa, que são mais seguras.

"Com juros nessa altura, investir na poupança não faz nenhum sentido. Quem faz isso está muito mal informado", diz Arnaldo Curvello, diretor da Ativa Wealth Management.

Por mais prática que a poupança seja, atualmente seu rendimento é de apenas 8,07% ao ano (remuneração da caderneta nos últimos 12 meses), bem abaixo dos juros de 14,25% ao ano, que balizam os investimentos de renda fixa do mercado.

Dentre as aplicações financeiras que acompanham os juros, algumas são indexadas à taxa Selic, portanto seu rendimento bruto (sem descontar eventuais taxas e o Imposto de Renda) ao final do prazo é exatamente igual à variação da Selic.

Já outras são indexadas à taxa DI, que á taxa média dos juros praticados nos Certificado de Depósito Interbancário (CDIs) transacionados entre bancos. Ela também é usada como referência para o rendimento dos investimentos de renda fixa (veja mais detalhes sobre a taxa DI) e seu comportamento é muito parecido com o da taxa Selic.

Veja aqui alguns dos principais investimentos que acompanham as flutuações dos juros hoje. Confira como funcionam suas formas de remuneração e seus riscos e veja em seguida como escolher qual deles é melhor para você.

Fonte: Exame - http://goo.gl/L42SVO

Analytics